E Agora Gabi? (Capitulo 5)

cap 5 chamada

Gente hospital público tá osso mesmo, sempre ouço as pessoas comentando, mas não imaginava que estivesse assim. Demorou mais de 30 minutos para sabermos noticias da Sara e conseguirmos vê-la. Ela estava fora de perigo, no entanto bem machucada. Ela disse que estava indo para minha casa quando encontrou sua namorada e não viram nada demais em andarem de mãos dadas e trocarem algumas caricias na rua, a rua estava meio deserta e então dois caras apareceram e agarraram as duas, a namorada dela conseguiu correr, mas a Sara não, os dois levaram-na para um beco próximo e não quero entrar em detalhes porque o que ela me contou… Sei que a namorada dela conseguiu chamar a policia, mas quando a encontraram ela já estava sozinha, toda machucada, com a roupa rasgada…

Fiquei chocada com aquilo, a que ponto isso chegou! Minha amiga ser estuprada   porque estava com outra menina, o que aqueles monstros pensaram? Isso não dá, não pode! E seus pais então, que situação para saber disso tudo, se não fosse o preconceito ela já poderia ter contado, mas não, aí no que deu. Droga de sociedade. O Carlos também ficou super indignado.

Estávamos descendo da enfermaria onde estava a Sara, quando vimos uma movimentação bem agitada, uns médicos vinham trazendo numa maca um carinha que a policia trouxe, quando vi quem era vocês não acreditam… Sim era o Denis, muito mais machucado do que estava a Sara. Eu e o Carlos ficamos em estado de choque, ali diante dos nossos olhos passava o nosso amigo naquele estado. Entrei em desespero, como é possível acontecer tanta coisa em tão pouco tempo. Dali não arredei o pé enquanto não tive noticias do Denis. Liguei para os meus pais explicando tudo e pedi para virem para o hospital. A família do Denis chegou desesperada querendo saber noticias. Sua mãe já estava muito abatida, pois estava sem noticias do filho há dois dias, não parava de chorar, chorava e chorava e chorava. Quando do fundo do corredor da ala cirúrgica veio o médico, procurou pelos parentes do menino Denis, sua mãe correu ao seu encontro.

– Doutor pelo amor de Deus me diga como está o meu menino?
– dona a senhora vai precisar ser forte.
– Mas o que houve doutor, diga!
– Infelizmente ele não resistiu aos ferimentos e morreu.

(…)

Este relato me dói à alma. Quem será que bateu tanto nele até matá-lo?
O que será que aconteceu? Por que será que foi a policia que o trouxe?
Uma amiga estuprada e outro amigo morto, um futuro recomeça o outro se foi.

Roteiro para o capitulo 5.

A partir da historinha que você acabou de ler, discuta no seu grupo as questões levantadas pela personagem.

(Depois de compartilhar as opiniões, leia o texto a seguir).

Sem duvida este é o momento mais difícil da caminhada da Gabi, duas catástrofes aconteceram quase ao mesmo tempo com seus amigos. Primeiro ela descobre que a Sara foi estuprada, a questão é porque justamente naquela circunstancia? O preconceito contra os homossexuais gera um fenômeno conhecido por homofobia, os grupos de homofóbicos agem de forma diferente quando se trata de uma relação entre dois homens ou duas mulheres. Quando são dois homens a agressão física é pratica de forma a reprimir a transgressão a masculinidade. Quando se trata de duas mulheres o sentimento permeia o fetiche sexual, levando esses grupos a praticar muitas vezes o estupro coletivo como forma de exarcebação de sua masculinidade frente à refeição dessas mulheres ao relacionamento heterossexual.

O caso do Denis confirma as estatísticas de mortes de jovens principalmente negros e pobres. Assim como a Gabi, ainda não sabemos o real motivo de sua morte, mas o fato de aparecer todo machucado e ter sido a policia que o trouxe nos dá alguns indícios de possíveis causas.

A grande questão que nos fica é que estamos chegando à reta final dessa grande aventura junto com nossa amiga Gabi, e o final tem se mostrado trágico. Mas será que isso acontece só aqui nesta estória? Quantas mais vão se repetir? E até quando?

Leitura de iluminação.

João 19, 16 – 37.

Como a passagem do evangelho pode ser associada à reflexão da conversão social relacionada às barbáries cometidas contra a juventude?

Sugestão de musica: Até quando? (Gabriel o pensador)

Proposta de construção de um mosaico.

Nossa historinha será dividia em 6 capítulos. Cada capítulo trabalhado formará uma letra de um grande mosaico.

Para este encontro peça para cada membro do grupo escrever, desenhar, etc., numa folha de sulfite, algo que reflita tudo o que foi trabalhado. Depois juntem todas as folhas e formem a quinta letra do mosaico que será a letra “O”.

(história criada pelo GT “A Juventude Quer Viver”
Arquidiocese de São Paulo)

Acompanhem nosso blog, e aguardem os próximos capítulos desta história de juventude!
Para ver o primeiro capítulo desta história clique
 aqui.
Para ver o segundo capítulo desta história clique aqui.
Para ver o terceiro capítulo desta história clique aqui.
Para ver o quarto capítulo desta história clique aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s